sexta-feira, 15 de maio de 2009

Fofoca


Por que as pessoas gostam tanto de fofoca, em?

Certo que eu também fofoco, mas hoje, fofoqueiros me deixaram bem irritada.

Na saída umas garotas me chamaram pra conversar. Eu já estava indo embora e tive que voltar lá da esquina pra falar com elas.

Bem, uma dessas garotas, é muito, muito fofoqueira e, de acordo com ela parece que eu tinha falado que a falsidade rola na solta na amizade dela com uma outra garota.

O que EU tenho a ver com isso? A fofoqueira já falou mal da nova amiga (muitas vezes), mas até onde eu sei, isso foi antes delas ficarem amigas.

Mas até parece que fui EU que disse isso da amizade das duas! O que eu tenho a ver com isso? E agora parece que acham que eu sou fofoqueira - do pior tipo. Eu não tenho nada a ver com a história, m.a.s. p.a.r.e.c.e. q.u.e. a.l.g.u.é.m. t.e.m. d.i.t.o. p.o.r. a.i. q.u.e. e.u. f.a.l.o. m.a.l. d.a. a.m.i.za.d.e. d.as. d.u.a.s. p.e.l.a.s s.u.a.s. c.o.st.a.s.

Ah, e como não podia terminar ai: Eu sei quem falou mal da 'amizade' das duas. Mas eu não vou contar quem é porque daí eu vou ser mesmo fofoqueira. Como ela estava falando comigo, algum inxerido ouviu e confundiu.

E o pior: elas não me deixavam ir embora. Quando eu garanti que não tinha sido eu, que havia um engano, elas começaram as perguntar se eu já tinha falado mal delas. Uma fofa, uma metida e uma garota com quem eu quase não falo. As três falando que eu já tinha falado mal delas. Sabe nos filmes quando o personagem se espreme contra o muro e as sombras so inimigo crescem na frente dele? Foi mais ou menos assim.

O que você faz numa situação assim?

Fazendo o que eu não devia durante a aula de matemática

"Atchim!"

Era o décimo segundo espirro em 10 minutos. 10 minutos! Como alguém podia espirrar tanto em dez minutos? Belinda quase podia sentir o cérebro batendo na testa e voltando a seu lugar de orgiem a cada espirro.

Será que isso era a Influenza Suina? Você quase morre de tanto dar espirros? Você espirra quando está com a influenza? Ah, que lindo, Belinda até já podia ver sua lápide: Belinda Alonzo Menitez, morta no dia quatorze de maio de 2009 por crise de espirros.

Que recado lindo para a posteridade.

Belinda suspirou, era o único som que saia normal, tal era o entupimento de seu nariz (mesmo com toda a meleca que estava nos papéis e mesmo estando com dor de cabeça de tanto assoar).

Infelizmente, suspirar também era difícil porque fazia sua garganta arder.

Seu papa, um professor de matemática mal pago, fez a média de quantos espirros ela dava por dia (Belinda estava tentando não pensar nisso - nem no fato de seu pai ter feito essa conta, nem no resultado).

Já sua mama, estava em pânico. O médico já a havia examinado e dissera que ela não estava com a influenza, mas isso essa gripe podia diminuir sua imunidade contra outras doenças - e pior, como Belinda já estava com febre, tossindo e com dor em todos os lugares de tanto ficar deitada, eles podiam não perceber que ela pegasse com a influenza.

Mama estava preparada para levá-la para a quarentena a qualquer momento ("Que ótimo!" Pensou Belinda rolando os olhos).

E fazer contas e mais contas sobre a quantidade de espirros que Belinda era capaz de dar era o modo de papa se preocupar.

Com seu hermano em Nueva York como imigrante ilegal, uma filha com a influenza suina era tudo que sua família precisava.

Não tem final, porque depois que escrevi isso a aula acabou.

Espero que vocês gostem. ;)

quarta-feira, 13 de maio de 2009

Achando Você Mesmo

Há uns cinco minutos atrás eu estava lendo um blog muito interessante. No post, a blogueira dizia o de sempre: Se você for você mesma e as pessoas vão gostar de você. Não tente ser alguém que não é.

Bem, agora eu pergunto: E se você não souber quem você é?

Quero dizer, como se define quem você é?

Você é o que você veste? Você é o que faz? Você é o que você come? Você é feito de escolhas? Ou é feito de destino?

Milhões e milhões de definições que nós crescemos ouvindo, que parecem cada vez mais numerosas, mais embaralhadas e o pior é que todas fazem sentido de um jeito ou de outro.

Quando nós somos crianças, isso não parece complicado, você só diz, eu sou quem eu sou e continua a assistir Sítio do Pica-pau Amarelo.

Quando você cresce mais um pouco e bate um momento de crise, de mudança extrema:

Você começa a sofrer Bullying e se pergunta se você é todas aquelas coisas feias que as pessoas falam que você é.

Você ganha um irmãozinho e não é mais o bebê da família. Agora você é o mais velho, tem responsabilidades.

Você vê todas aqueles Out-doors que mostram todas aquelas mulheres deslumbrantes: Altas, curvilíneas, lindas, loiras, brancas. E você é baixinha, gordinha, morena e se sente feia.

Você ainda não perdeu o BV quando todas as suas amigas já perderam.

Você acha mara um programa, ou hobbie, um livro que todo mundo odeia.

Você amadureceu mais cedo do que seus amigos e agora se sente um peixe-fora-d'água.

EM FIM... Milhares, milhares, milhares de coisas podem acontecer.

E como você acha a si mesmo no meio de toda essa mistureba?

E se você não se achar, as pessoas vão gostar de você do mesmo jeito? Mesmo você estando confuso e perdido?

video

Pra você ver como a música está em todo lugar.

terça-feira, 12 de maio de 2009

Regras de Segurança


Demorei, maaaaaas cheguei! Então se quiser dormir bem como esse bebê, é melhor seguir as REGRAS DE SEGURANÇA - APRENDENDO A CONVIVER MELHOR COM OS FILHOS


  • Mães Precisam, respiram e necessitam de satisfações, e, enquanto for necessário, os filhos terão de cumprir sua parte, mantendo a mãe o mais informada possível de todos os seus passos, inclusive/principalmente aqueles que os filhos não gostam nem de lembrar que deram.
  • Apesar da tecnologia, os filhos deverão se utilizar também de todos os meios de comunicação analógicos - como sinais de fumaça, astrolábio e bandeirinhas de escoteiro - para mantê-la atualizada de sua posição geográfica.
  • Sinceridade não se aplica a comentários sobre qualquer interveição estética ou fashion perpetrada pela genitora, incluindo-se aqui tingimentos e/ou cortes de cabelo, dietas, cirurgias plásticas, maquiagem, roupas e principalmente acessórios.
  • Toda mãe acredita que o filho deve ter sempre um agasalho em mãos para a segurança emocional dela. Afinal, um bom filho sabe que casaco é aquilo que colocamos quando nossas mães sentem frio.
  • Mães costumam se sacrificar de verdade em prol de sua autoestima. Portanto, jamais um(a) filho(a) deve perguntar a sua mãe se estava bonitinho(a) vestido(a) de margarida no teatrinho de primavera da escola.
  • As discussões entre mãe e filho(a) predispõem a acidentes e danos, principalmente para a parte mais vulnerável, no caso o(a) filho(a). Mãe tem poder sobre a consciência dos filhos, sobre o pai e, consequentemente, sobre a mesada.
  • Toda mãe é especialista em tudo. Elas já saem de fábrica com um instituto metereológico e um polígrafo que não convém desafiar.
  • Ao receber a visita de pretendentes, os filhos devem estar conscientes do perigo de ter exibida aquela foto em que aparecem rindo sentadinhos em u m peniquinho decorado de patinhos.
  • A mãe deverá ser mantida o mais longe possível daquele antro de seres estranho que os filhos chamam de amigos e ela chama de criminosos em potencial.
  • Jamais, em tempo algum, o(a) filho(a) deve dizer para sua mãe que a mãe de de sua(seu) namorada(o) cozinha melhor do que ela.
  • Manda a lei que os filhos façam pelo menos o mínimo necessário para que a relação com a mãe seja a melhor possível: manter arrumada pelo menos a primeira gaveta do guarda-roupa, ajudar vez ou outra nas tarefas de casa, não jogar roupa suja no chão do banheiro, estudar, não desperdiçar a inteligência com games quando as notas da escola estão abaixo da linha da probreza e, o mais importante, manter-se próximo da água do banho, embaixo dela de preferência.
Espero que os direitos das mães não tenham causado muito estrago. Lembrando que se por um acaso quiserem matar alguém pelas regras de segurança, E/OU pelos direitos das mães, não devem ver em cima desta que voz fala/escreve, mas sim do Ministério da Maternidade (Secretaria de relacionamentos maternais) e/ou de Marcela Catunda.

domingo, 10 de maio de 2009

Feliz Dia das Mães

Happy Mom's day!
Happy Mom's day! by Marinapz4 featuring Marc by Marc Jacobs blouses

Feliz Dia das Mães people!

E essa é: A DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DAS MÃES

I - Toda mãe tem direitos a beijos, abraços, cafunés, declarações de amor, dengos, chamegos e todas as atenções necessárias e desnecessárias.

II - Toda mãe, sem qualquer distinção, tem direito de falar, reclamar, brigar e implicar com tudo que ela julgue digno de implicancia.

III - Toda mãe tem direito a uma remuneração amorosa justa e satisfatória que lhe assegureuma existência emocional compatível com a dignidade humana, ou seja, alémm de abraços, carinhos e satisfações, contar as histórias de quando o(a) filho(a) era pequeno(a) é obrigatório, rir das gracinhas de infância é mandatório, assim como se emocionar com a primeira palavra, o primeiro dentinho, a primeira papinha de batata com cenoura etc.

IV - Toda mãe tem direito de organizar as festas e viagens dos filhos, pelo menos até a data-limite dos 18 anos. Como matriarca, também lhe é reservado o direito de participar, para a proteção de seus interesses, de sindicatos como: MEDA (Mães que Enchem Demais Anônimas), CUMA (Central Única das Mães), Movimento Pró-Mãe e Associação Mamãe Eu Te Amo.

V - Toda Mãe tem poder de juiz em qualquer altercação familiar, fraternal ou de graus próximos. Em imbróglios ou desavenças envolvendo do cunhado desempregado à tia solteirona, e até do sobrinho que colocou piercing, palavra mãe é definitiva, é lei e sentença.

VI - Toda mãe tem direito de ter sempre razão em qualquer situação retratada nos parágrafos anteriores e qualquer outra que vier a acontecer.

VII - A toda mãe é garantido o direito de trocar os nomes dos filhos em qualquer situação, bem como chamá-los em locais públicos de diminutivos vexatórios como: Bebê, Pituco, Tchutchuco, Floquinha, Xuxuca, entre outros.

VII - Parágrafo final, em se encerra essa declaração: Todas as mães são iguais perante a lei, mudando apenas o logradouro onde se encontra sua habitação.

Se a sua mãe, como a minha, leu os seus direitos e agora está simplesmente insuportável e você está com vontade de matar o infeliz que escreveu isso, fique sabendo que não fui eu que escrevi, foi uma mulher chamada Marcela Catunda e eu achei isso na Cateira da Mãe - São Paulo: Matrix 2009 que eu cometi o erro de dar para a minha mãe de presente de dia das mães.

Para evitar conflitos a Secretaria de Relacionamentos Maternais, do Ministério da Maternidade também criou as REGRAS DE SEGURANÇA que eu vou postar amanhã.

Feliz dia das mães!

Aula de Religião O Retorno

Sabe qual é a parte boa d ter, tipo, 1 comentário por post? é q vc pode responder todos eles! Bem, Max, obrigado pelo seu comentário, eu realmente gostei; e respondendo a ele:

Ser chamada de anti-católica e herege? se isso me impedir de ir à outra aula de religião, eu considero isso um elogio. Como eu tenho síndrome-de-texto-ridiculamente-enormes, eu acabo resumindo significantemente a maior parte dos meus posts porque se não, ninguém vai ter paciêcia de ler, então você não sabe de muitos detalhes.

Acredite quando digo que muitos compartilham de minha opinião. Todo mundo odeia aula de religião.

Minha professora manda a gente rezar, fala de inclusão social, fala de igualdade social, fala que guerra é ruim, fala ame o próximo, fala pra não odiar e pra perdoar todo mundo, manda nós nos mirarmos em Jesus, fala pra não julgar pelas aparências, pede pra nós irmos a igreja, pra fazermos trabalho voluntário, fala que sexo e religião podem sim andar lado a lado, que ciência e religião não precisam brigar, pede respeito aos não-católicos pela sua religião, fala de não ter preconceito...

Mas é isso! Ela só FALA. Na prática, a história é outra.

Ninguém sabe o que significa amém; ninguém reza, fala de Deus ou vai à missa de boa vontade, a capela da escola fica trancada durante o recreio por causa de vandalismo e eu só pude ir conhecer o lugar na minha misssa de formatura, ainda tem bullying contra o esquisitão da classe; ela nos mostra uma página com uma matéria de sexo e religião que ao lado tem a matéria de uma otária que não baixa músicas ou filmes da internet (ela é contra a pirataria), os trabalhos voluntários da escola tem só cinco ou seis pessoas.

Ela pede respeito dos não-católicos? Sei, ela fala isso, mas nunca mostrou um filme das Cruzadas, da Inquisição OU mencionou o fato de Jesus nascido no Oriente Médio, ser branco. E muitas vezes, ele e todo mundo da família dele é retratado com olhos azuis.

Quando ela fala de inclusão social, ela fala de deficiêntes, mas e o pessoal da favela do Rio que não é deficiente, mas nunca foi à escola? E os pequenos soldados infantis da África? Eles também precisão de uma inclusão.

No filme que ela mostrou, quando o santo começa a reconstruir a igreja, ele tem a ajuda das pessoas felizes-que-parecem-ter-sido-atingindas-pelo-gas-do-coringa. Todas as pessoas estão doentes, sujas, morrendo de frio e trabalhando pesado o dia todo. Alguma dessas pessoas são crianças, mas não, não é trabalho infantil, afinal elas tão construindo a igreja pra Deus. É deus, pô, merece. Os trabalhadores também não são ensinados a ler, nem a contar, nem a fazer sapatos, nem a costurar, nem à criar ovelhas, nem a plantar, nem a fazer pão; são ensinadas a construir igrejas.

Ela não mostra pra gente filmes como Escritores da Liberdade. Uma história real que é o puro exemplo de igualdade e inclusão social, de faça amor e não guerra (e de forma indireta, tolerancia religiosa, porque essas lições são aprendidas com a professora falando especialmente do horrores da Segunda Guerra).

Não mostra Diamantes de Sangue, nem A Lista de Schindler, nem O Pianista, nem O resgate do soldado Ryan.

Como alguém aprende o horror da guerra sem ver isso?

Me pergunto o que as pessoas da minha classe acham de Muçulmanos, Islamicos e outros. Entre tanta guerra, fanatismo e burcas, pessoas decentes que apenas acreditam em uma coisa diferente da nossa são imediatamente rotuladas de homens bomba.

O que ela nos ensina não é religião, é apenas uma repetição de erros e erros de gerações anteriores que ainda mantém milhares de coitados na ignorância.

Set novo



novo set! :D